fbpx
 
Ler e se divertir com a cultura popular brasileira

Tempo de leitura: 4 minutos

Ler e se divertir com a cultura popular brasileira

Por meio de livros e brincadeiras, escritora e pesquisadora Graziela Barduco estimula contato com manifestações populares

 

Sempre apaixonada por brasilidades e elementos da cultura nacional, a atriz e mestre em Artes da Cena, Graziela Barduco, agora vai além do teatro para dialogar com o público infantil sobre o tema. As obras A menina e o pé e O sapinho e o bumbum são a mais recente proposta da autora para ler e se divertir em família.

 

Para Graziela, toda e qualquer forma de abordagem acerca da cultura brasileira contribui para a formação intelectual e cultural das crianças, além de incentivar a liberdade de escolha e expressão. Somado a isso, garante que a interação entre adultos e crianças fortaleça a conexão entre ambos, na medida em que estimula e reforça a criação de um vínculo e construção de confiança.

 

Na entrevista abaixo, Graziela explica mais sobre a experiência com o universo infantil, por meio do teatro, e discorre em mais detalhes sobre como a literatura pode contribuir para o desenvolvimento na infância. Confira:

 

1. Quando e como surgiu sua paixão pela escrita?

 

Graziela Barduco: Eu costumo dizer que me descobri escritora em meio ao meu processo de pesquisa de mestrado. Na realidade eu sempre tive o hábito de escrever poesias, desde muito pequena, mas era sempre como uma espécie de desafogo perante as angústias com as quais me deparava. Durante o desenrolar do mestrado, que é um período muito intenso e extremamente estressante, passei a escrever quase que desenfreadamente, como forma de alívio perante à ansiedade do momento em questão.

 

Como acabei ficando com uma produção muito extensa (e intensa) ao final deste período, decidi publicar meu primeiro livro, o “Na Rima da Menina” (editora Versejar), além de passar a publicar em diversas antologias desde então. E, daí por diante, não mais parei. 

 

2. Como surgiu a oportunidade e motivação de escrever “A Menina e o Pé” e “O Sapinho e o Bumbum”?

 

G. B.: “O Sapinho e o Bumbum” surgiu a partir de uma ideia que tive durante os cuidados com meu bebê, enquanto eu lhe dava banho em seus primeiros meses de vida. Ele foi todo escrito em formato de poesia, utilizando a métrica da embolada de coco, uma forma muito utilizada na poesia popular brasileira, estilo pelo qual sou apaixonada.

 

Já “A Menina e o Pé” é uma adaptação da dramaturgia do espetáculo infantil homônimo da minha companhia de teatro, a Cia Cordiais; teve sua estreia em maio de 2019 e é fruto do meu processo de pesquisa de mestrado.  A obra aborda, de maneira bem lúdica, diversos elementos da cultura popular brasileira.

3. Qual é a principal mensagem que os seus livros trazem aos pequenos leitores?

G. B.: Com relação ao “O Sapinho e o Bumbum”, a história aborda as divertidas constatações de um sapinho muito curioso, que, ao cair sentado no chão, percebe uma nova forma de enxergar o mundo. Desta forma, o livro faz uma metáfora com os mais variados pontos de vista e perspectivas presentes no dia a dia.

 

Já com relação ao “A Menina e o Pé”, faz uma analogia entre o aprisionamento dos pés da protagonista e o cerceamento das ideias, e da liberdade de expressão, que ainda hoje assola o pensamento crítico e artístico.

 

4. Como surgiu a ideia de utilizar a cultura popular brasileira na literatura para se comunicar com as crianças?

 

G. B.: Durante minha especialização em Interpretação para Musical, através da Escola Superior de Artes Célia Helena, tive a oportunidade de estrito contato com elementos de nossa cultura popular brasileira, em algumas disciplinas do curso. Trabalhamos com a partitura da música Mateus Embaixador, do artista Antônio Nóbrega, e essa música aguçou minha curiosidade, já em meu primeiro contato com ela, ao cantá-la em coro, acompanhando-a com percussão corporal.

 

Muito provavelmente foi ali, ao vivenciá-la, por assim dizer, que me dei conta da complementariedade presente naquilo que fazíamos, já que aquela obra nos abria um leque de possibilidades de combinação de linguagens, tais como música, canto, dança, ritmo, poesia, narrativa… permitindo um trânsito entre diversas formas de expressões artísticas. Penso que foi naquele momento que percebi a enorme riqueza e potência que carregam os elementos presentes na maioria das manifestações populares brasileiras.

 

Daí veio meu desejo de mergulhar neste universo, beber em suas raízes enquanto fonte de inspiração, para criação de uma obra voltada para o público infantil, que passeasse por toda esta riqueza de elementos. Primeiro veio o espetáculo “A Menina e o Pé” e, na sequência, sua dramaturgia acabou virando livro infantil, carregando consigo este passeio lúdico pelos elementos da cultura popular brasileira.

 

5. O livro “A Menina e o Pé” conta com canções autorais e promove conexão das crianças com os ritmos brasileiros. Você acredita que essa combinação pode despertar mais o interesse dos pequenos pelas artes?

 

G. B.: Eu acredito que ressaltar a importância de uma abordagem mais maciça acerca da cultura tradicional brasileira – bem como seus ritmos, danças, gêneros musicais, manifestações artísticas, etc – com o público infantil, reflete diretamente na formação intelectual e cultural das crianças, além de contribuir para que sejam integrantes de uma plateia com um repertório artístico amplo o suficiente, para que haja possibilidade de escolhas sobre o que contemplar e assistir.  

 

6. Em “O Sapinho e o Bumbum”, você dá dicas para pais e professores de como trabalhar a leitura com os pequenos. De que forma essa experiência pode fortalecer a conexão entre adultos e crianças?

 

G. B.: A ideia é estimular, além da leitura, o “brincar” em cada criança, já que o “brincar” é na realidade uma forma de relação entre o “eu” e o “outro”, bem como uma forma de descobrimento de si próprio. Através do “brincar” a criança exerce o seu próprio desenvolvimento, tanto emocional quanto cognitivo, de forma criativa, estimulando sua autoconfiança, imaginação e espontaneidade.

 

Eu acredito que toda esta interação entre adultos e crianças fortalece a conexão entre ambos na medida em que estimula e reforça a criação de um vínculo. Além disso há a construção e consolidação de uma relação afetiva e de confiança entre eles, o que gerará segurança à criança para que ela realize plenamente suas atividades e, por conseguinte, desenvolva suas habilidades da melhor forma possível.

 

Para saber mais sobre os livros “A menina e o pé” e “O sapinho e o bumbum”, clique aqui!

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *